Aleitamento Materno: existe leite fraco?

O ato de amamentar é sublime e traz benefícios não apenas à saúde do bebê, mas também para a saúde da mãe. Além de todas as vantagens nutricionais do leite materno, o aleitamento é uma forma de fortalecimento do vínculo mãe e filho, tão importante para a harmonia, crescimento, educação, aconchego e desenvolvimento de ambos. Vale ressaltar que não é apenas o leite que alimenta, o colo da mãe traz conforto, calma e segurança para ela e para o bebê!

É crucial que as mamães e futuras mamães saibam que não existe leite fraco! O leite apresenta composição de acordo com as necessidades do bebê. O contato pele a pele, o cheiro, as batidas do coração, o olhar e o calor estão envolvidos na amamentação e são responsáveis pela produção e liberação dos hormônios ocitocina – considerado o hormônio do amor – e prolactina, que irão produzir e liberar o leite materno,  que deve ser fornecido de forma exclusiva até os 6 meses de idade e, complementado com alimentos até quando mãe e bebê decidirem.

 Esses hormônios também são responsáveis pela produção do leite. Quanto mais a amamentação for estimulada, mais facilitada será a produção do leite, tornando essencial que a amamentação seja por livre demanda! Isso significa que é o bebê quem decide quantas vezes e por quanto tempo ele vai mamar, de acordo com sua fome e sua saciedade.

Todavia, a alimentação da mãe influencia na qualidade do leite. A composição do leite materno varia ao longo de 24 horas e é individual para cada mãe. A alimentação materna adequada reflete positivamente na nutrição da criança por meio do aleitamento!

Ainda sobre a composição, cabe ressaltar que o leite tem as proporções exatas de água e de nutrientes de acordo com a idade da criança, não sendo necessária a ingestão de água quando o bebê está em aleitamento materno exclusivo. Por volta do 6º mês, as necessidades e o processo de desenvolvimento do bebê exigem mais energia e nutrientes e, por isso, recomenda-se que a introdução alimentar comece por volta desse período, porém, o aleitamento pode e deve ser continuado!

Tem dúvidas sobre o aleitamento materno? Escreve pra gente!

Com carinho,

Quando Eu Crescer Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Direito e saúde materno-infantil – Parte 2

Direitos relacionados ao pós parto No post anterior conversamos a respeito dos alimentos gravídicos e da violência obstétrica. No post de hoje, falaremos sobre os direitos após o parto. O

A Alimentação Complementar

 Antes de discutirmos alguns pontos essenciais para cada etapa da alimentação complementar, devem ser aplicados dois segredos-chave nesse processo: planejamento e paciência. Lembrando que as mudanças devem acontecer de forma lenta e gradual,

Direito e saúde materno-infantil – Parte 1

Direitos relacionados à gestação Primeiramente é essencial que salientemos que a saúde materna e infantil é um assunto de direitos humanos. Nossa própria legislação evidencia a importância destes cuidados e