Atuação do nutricionista na alimentação complementar da criança

           Cada vez mais os pais/cuidadores têm se preocupado com a alimentação das crianças, porém muita coisa mudou nos últimos tempos quando falamos sobre introdução da alimentação complementar. E então, os questionamentos começam a surgir: Quando a criança vai começar a comer? Como oferecer os alimentos? Quais alimentos? Bater no liquidificador? Passar na peneira? Amassar? Deixar em pedaços? Cru ou cozido? Só pode sopa? O nutricionista materno-infantil é o profissional capacitado para auxiliar no processo de introdução alimentar, aliado às particularidades de cada criança e de sua família.

 Quando iniciar a introdução alimentar?

           Até o sexto mês de vida do bebê recomenda-se exclusivamente o leite materno, considerado até esse período um alimento capaz de garantir por si só as necessidades nutricionais do bebê, e deve ser mantido e complementado até os 2 anos ou mais de idade.

           A partir do sexto mês, aproximadamente, a maioria dos bebês já apresentam a cabeça, pescoço e tronco mais firmes, com os reflexos de deglutição e lingual mais desenvolvidos, além de um grau de tolerância gastrointestinal e capacidade de absorção de nutrientes com um nível satisfatório. Esse é, então, um ótimo momento para dar início à alimentação complementar com muito mais segurança para os pais/cuidadores e para o bebê. Recomenda-se a introdução da alimentação quando essas características estão presentes, devendo ser avaliadas pelo nutricionista em conjunto com o pediatra.

           A introdução alimentar é um ótimo momento para promover bons hábitos alimentares e ideal para incluir a participação da família, estimulando a interação do bebê com outras pessoas, além da figura materna.

 A importante participação do nutricionista na alimentação complementar

            Destaca-se que no período da alimentação complementar é muito importante o acompanhamento de um profissional, principalmente do nutricionista materno infantil, para orientar corretamente as etapas de introdução dos alimentos, pois cada fase em que a criança se encontra as necessidades mudam e é preciso que sejam feitas novas adaptações e adequações da alimentação.

            O nutricionista tem um papel chave nesse processo, principalmente por desenvolver o trabalho de educação alimentar e nutricional com a criança e com os pais/cuidadores, promovendo hábitos alimentares saudáveis desde a infância. Além disso, o acompanhamento e as orientações nutricionais levam em conta as individualidades da criança e dos pais/cuidadores, como, por exemplo, a saúde da criança, disponibilidade de tempo, recursos financeiros, praticidade, entre outros.

        Não existe a forma certa ou errada de introduzir os alimentos, porém a ciência evolui constantemente e novas recomendações são adotadas atualmente como mais indicadas por apresentarem resultados nutricionais e de saúde positivos para as crianças. Além disso, o nutricionista em acompanhamento irá auxiliar e decidir juntamente com a família/cuidadores a forma mais adequada de introdução alimentar.

Quer saber mais? Então fique ligado nas nossas próximas postagens…

Com carinho,

Quando Eu Crescer Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Programação Metabólica – você sabe o que é?

Você sabia que uma alimentação inadequada pode levar à infertilidade, como também consequências para o desenvolvimento do bebê durante e após o nascimento? Já ouviu falar em programação metabólica? Programação

O ser mulher no momento da gestação

Chega a hora tão esperada pelas tentantes: a confirmação da gravidez! Momento em que afloram as sensações: alegria, ansiedade, preocupações, sensibilidade e a responsabilidade da alimentação adequada para essa fase! 

Amamentação em tempos de COVID-19

As evidências relacionadas à amamentação sob diagnóstico de COVID-19 até o momento são escassas, pois trata-se de um novo vírus (SARS-CoV2) que, conforme a ciência evolui vai dando forma às