Componentes alimentares na prevenção do câncer de mama

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum no mundo e o mais frequente entre as mulheres. No Brasil, o número de casos e o índice de mortalidade por câncer de mama vêm aumentando entre as mulheres de todas as idades, seja com menos ou mais de 50 anos. As causas até hoje estudadas envolvem o funcionamento dos hormônios na pré menopausa, níveis endógenos e exposição prolongada ao excesso de estrógenos (hormônio responsável pelas características sexuais femininos), além de diferenças genéticas e fatores ambientais, que incluem os hábitos alimentares.

O diagnóstico precoce é imprescindível para que haja sucesso no tratamento. O autoexame de toque nas mamas é a principal ferramenta para a descoberta dos nódulos palpáveis que, quando identificados pela mulher ou pelo médico, devem ser investigados.

Em outubro ocorre a campanha “Outubro Rosa”, mês reconhecido internacionalmente pela conscientização e prevenção ao câncer de mama, estimulando o autoexame, o exame do toque médico e/ou mamografia.

O estado nutricional e o padrão alimentar têm se mostrado fatores com relevante impacto no surgimento de novos casos de câncer de mama. Manter uma alimentação saudável aliada à prática de atividade física impacta positivamente no estado nutricional, promovendo um peso saudável e qualidade de vida, o que é essencial para prevenção do câncer.

Alguns componentes alimentares foram identificados com propriedades benéficas na prevenção do câncer. Na literatura encontram-se muito bem definidos os seguintes alimentos e compostos bioativos:

  1. Chá verde (Camellia sinensis): Os efeitos benéficos são conhecidos principalmente pela presença dos polifenóis conhecidos como catequinas e que são antioxidantes. Todos os mecanismos propostos pela literatura mostram que as catequinas inibem o crescimento e/ou promovem a morte das células cancerosas.
  2. Azeite de Oliva: Os flavonóides e compostos fenólicos são substâncias que apresentam potencial inibitório do crescimento das células tumorais em cultura. É cada vez mais persistente avaliar o efeito desses componentes nas mulheres, podendo ser um aliado promissor ao tratamento e prevenção.
  3. Hortaliças crucíferas: entre os mais consumidos estão o repolho, a couve, a couve-flor e o brócolis. Os efeitos benéficos se devem ao componente químico isotiocianato, que apresenta proteção tanto contra o crescimento das células tumorais da mama, como o desenvolvimento de carcinoma. Vale ressaltar que as crucíferas possuem enzimas antioxidantes que também apresentam relevante potencial anticarcinogênico, como superóxido dismutase e catalase.

Ainda, é importante afirmar que os nutrientes descritos, bem como outros que são encontrados na literatura, apresentam-se naturalmente nos alimentos. A bagagem dos alimentos in natura inclui, além destes que auxiliam na prevenção e no tratamento do câncer, outras inúmeras substâncias que são capazes de promover saúde quando em um contexto alimentar saudável.

A proposta de utilizar determinados alimentos como coadjuvantes em tratamentos oncológicos é promissora, mas ainda deve passar por análises criteriosas, de modo que se tornem mais persistentes. Destaque é dado para o fato mais do que consolidado: alimentação saudável, atividade física e adequado estado nutricional, previnem diversos tipos de câncer, além de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, obesidade e hipertensão.

Nosso recado é: previna-se! Cultive bons hábitos de saúde, realize o autoexame, (pois ele salva vidas!), e procure sempre por informações e profissionais capacitados para cuidar de você!

Com carinho…

Quando Eu Crescer Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Síndrome de Burnout Materno – Parte 1

Você já ouviu falar sobre a Síndrome de Burnout parental ou materno? Provavelmente não, mas talvez você já tenha escutado falar sobre a Síndrome do esgotamento emocional, cuja principal característica

Fases do ciclo menstrual e nutrição

A vida fértil da mulher se inicia com as mudanças hormonais da puberdade, indo desde a primeira menstruação até à menopausa. Ao longo do mês, o ciclo menstrual é regulado

Síndrome de Burnout Materno – Parte 2

No post anterior conhecemos a Síndrome de Bornout materna e suas manifestações. Nesse post abordaremos suas consequências. Como consequência desse esgotamento observa-se um maior distanciamento afetivo dos filhos. Muito cansadas,