Fases do ciclo menstrual e nutrição

A vida fértil da mulher se inicia com as mudanças hormonais da puberdade, indo desde a primeira menstruação até à menopausa. Ao longo do mês, o ciclo menstrual é regulado pela liberação de hormônios sexuais, que irão definir em qual fase do ciclo a mulher se encontra.

Esses hormônios são influenciados pelo cotidiano feminino, podendo sofrer alterações de acordo com alimentação, atividade física, estilo de vida e estresse! São eles que preparam o organismo da mulher para a fecundação e são responsáveis pelas variações que ocorrem ao longo do ciclo menstrual, como por exemplo: preferências alimentares, fadiga e inchaço.

As modificações metabólicas e bioquímicas que ocorrem neste período são muitas, pois para que ocorra a menstruação ou o pleno desenvolvimento fetal, existem nutrientes fundamentais. Sendo assim, para a mulher que pretende se preparar para engravidar é extremamente importante que ela conte com suporte nutricional adequado, atingindo o consumo de nutrientes de maneira individualizada.   

O ciclo menstrual passa por algumas fases. Vamos conhecê-las? 

1: Fase folicular – é considerada a partir do primeiro dia da menstruação, até a ovulação. Caracterizada pelo pico do hormônio chamado estradiol. Trata-se de um preparo para a ovulação, com amadurecimento dos folículos ovarianos. Nessa fase, o corpo feminino está mais preparado para aumentar a mobilização de gordura para a produção de energia.  É comum que a mulher se sinta mais disposta e motivada pela ação hormonal do estradiol. É uma grande oportunidade para mudanças de estilo de vida e escolhas alimentares. Com suporte nutricional adequado, é possível potencializar esse período!

 2: Ovulação – aproximadamente no décimo quarto dia após a menstruação, ocorre a liberação do óvulo, e ocorre queda do estradiol. É comum que as mulheres tenham sintomas como inchaço nas mamas, pois nesse momento ocorre crescimento de tecido mamário devido às variações hormonais, causando uma inflamação local fisiológica (natural do próprio corpo). Nesse momento, a oferta de alimentos anti-inflamatórios específicos é determinante!  

3: Fase lútea – nessa fase, o hormônio que está em alta, é a progesterona, que aumenta a utilização do carboidrato. É a fase em que a mulher se prepara para a possível gestação. Por isso, os hormônios aumentam a produção de tecido adiposo, a retenção de líquidos e o cansaço devido a diminuição do metabolismo. Vale destacar que, neste momento, a vontade de consumir carboidratos pode aumentar devido a uma adaptação do próprio corpo para se preparar para a gestação.  Nesse período, a mulher passa a guardar tecido adiposo para alimentar a si e ao bebê durante a gestação.

Caso a gestação não ocorra, esse período termina por volta do 28º dia, com a próxima menstruação. 

Mas e a TPM?

Ainda existem respostas fisiológicas a esse processo, conhecida como TPM – tensão pré-menstrual -, quando o corpo percebe quimicamente que a gestação não aconteceu, o que gera sintomas emocionais!

Os hormônios oscilam muito e a variação de humor ocorre em decorrência disso. Além disso, pode gerar uma intensa vontade de consumo de carboidratos.  Tal período pode durar de 3 a 4 dias até começar a próxima menstruação.

Para minimizar a TPM, uma boa alternativa é consumir alimentos fontes de tirosina, triptofano e magnésio a partir da ovulação (ex.: leguminosas, banana, castanhas, aveia, sementes, folhas verde-escuras, abacate), dando atenção à função do intestino, com adequada ingestão de fibras e água, pois dessa maneira é possível aumentar a produção de dopamina e serotonina, que são hormônios responsáveis pelo bem-estar! 

Muitas mulheres sofrem com ciclos irregulares e sintomas como dor, oscilações de humor, enxaqueca e indisposição. Portanto, basta entender que esses podem ser aliviados com o auxílio de uma alimentação equilibrada e orientações nutricionais específicas para cada fase desse período tão peculiar, melhorando a qualidade de vida da mulher em idade fértil. 

Com carinho,

Quando Eu Crescer Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Síndrome de Burnout Materno – Parte 2

No post anterior conhecemos a Síndrome de Bornout materna e suas manifestações. Nesse post abordaremos suas consequências. Como consequência desse esgotamento observa-se um maior distanciamento afetivo dos filhos. Muito cansadas,

Síndrome de Burnout Materno – Parte 1

Você já ouviu falar sobre a Síndrome de Burnout parental ou materno? Provavelmente não, mas talvez você já tenha escutado falar sobre a Síndrome do esgotamento emocional, cuja principal característica

Componentes alimentares na prevenção do câncer de mama

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum no mundo e o mais frequente entre as mulheres. No Brasil, o número de casos e o índice