O ser mulher no momento da gestação

Chega a hora tão esperada pelas tentantes: a confirmação da gravidez! Momento em que afloram as sensações: alegria, ansiedade, preocupações, sensibilidade e a responsabilidade da alimentação adequada para essa fase! 

Essa é a hora em que o organismo feminino se dispõe para dois nascimentos: o da mãe e o do bebê. Isso ocorre através de inúmeros ajustes fisiológicos que preparam o seu corpo para gerar, dar à luz, amamentar e pro desenvolver da criança. Com isso, é necessário que a nutrição dê substratos à produção de energia e às vastas reações bioquímicas que acontecem a partir da fecundação, as quais se voltam para a nova vida sendo gerada.

A demanda energética é muito intensa inicialmente devido às divisões celulares que estão ocorrendo a todo vapor. O processo de gestação pode ser visto como uma relação de devoção, troca, estabelecimento do vínculo mãe-filho, na qual a maternidade se consolidará com o nascimento de uma nova vida. 

O metabolismo da mulher passa a ser direcionado para o bebê. Isso significa que suas reservas de energia e de nutrientes não podem estar defasadas, pois a prioridade é a utilização desses nutrientes para o desenvolvimento do feto e, caso a deficiência nutricional ocorra, isso pode comprometer a saúde materna e a da criança.

Por sua vez, a saúde depende de um contexto saudável e um ambiente favorável para a geração dessa nova vida. Por isso, hábitos de sono, atividade física, apoio psicológico, menor exposição a xenobióticos, entre outros, irão interferir diretamente na gestação.

 Desse modo, o acompanhamento nutricional para que haja adequação de minerais e vitaminas é essencial, por pelo menos 3 meses antes do início da gestação (programação metabólica), pois desse modo os níveis nutricionais estarão estáveis e haverá pleno desenvolvimento fetal aliado à saúde da mãe.

 Ademais, o cuidado nutricional é importante pois vai além da gestação, uma vez que a mulher passa por todo esse processo fisiológico para dar à luz e ao final da gestação ela se prepara pra outro desafio, que é a amamentação.

Sobre a amamentação e o período pós-parto falaremos em outra oportunidade…

Com carinho,

Quando eu Crescer Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Síndrome de Burnout Materno – Parte 1

Você já ouviu falar sobre a Síndrome de Burnout parental ou materno? Provavelmente não, mas talvez você já tenha escutado falar sobre a Síndrome do esgotamento emocional, cuja principal característica

Síndrome de Burnout Materno – Parte 2

No post anterior conhecemos a Síndrome de Bornout materna e suas manifestações. Nesse post abordaremos suas consequências. Como consequência desse esgotamento observa-se um maior distanciamento afetivo dos filhos. Muito cansadas,

Benefícios do aleitamento materno para a saúde da mulher, do bebê e do mundo!

Sabemos da indicação do aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, complementar até os 2 anos de idade ou mais, devido às suas indiscutíveis vantagens para o bebê. Muito além